O PLANETA TERRA NAS NOSSAS MÃOS

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

POLUIÇÃO TERRESTRE

 

 

 

 

 

A poluição terrestre é uma alteração das características naturais do solo através da deposição, descarga, infiltração ou acumulação neste de produtos poluentes. Estes podem ser resíduos deitados no solo sem qualquer tipo de tratamento (como por exemplo: lixos domésticos e industriais), pesticidas, fertilizantes utilizados na agricultura ou detritos da criação de animais.

    Apesar do lixo doméstico ser uma pequena parte do total de resíduos sólidos produzidos, é o mais desagradável e perigoso para a saúde pública quando se acumula perto dos locais onde as pessoas vivem.

   As lixeiras constituem um grave problema ambiental. Nelas são acumulados diferentes tipos deresíduos: vidros, latas, plásticos, pneus, electrodomésticos, mobiliário, etc..

    Diferentes produtos tóxicos aparecem misturados com o lixo. Quando acumulados e com o passar do tempo infiltram-se no solo. Esta situação é agravada quando chove. A água da chuva atravessa o lixo, dissolve os produtos tóxicos nele existentes e, por infiltração ou escoamento, polui as águas subterrâneas (e a partir destas as águas de abastecimento), os ribeiros, os rios e os lagos.

 


 

 

  Para diminuir este problema deve-se:

 

- Tratar lixos e resíduos domésticos e industriais.

- Colocar o lixo nos recipientes próprios.

- Proteger as florestas.

- Utilizar sempre que possível materiais reciclados e preferir produtos ecológicos.

- Colaborar na reciclagem de vidro, papel, cartão, alumínio e plásticos, fazendo a separação dos lixos.

 

 

 

 

 

POLUIÇÃO MARÍTIMA

 

Existem os acidentes petrolíferos que se dão devido a uma colisão ou erros de navegação. Estes acidentes prejudicam gravemente os animais, pois estes ficam cheios de petróleo no seu corpo, não conseguindo nadar ou voar. Acabando por morrer.

    Apesar de os oceanos serem muito grandes, eles também ficam poluídos pela actividade do Homem. E se há muitos anos atrás se pensava que não havia problema em sujar as águas, hoje em dia a poluição é bastante visível.

     O Homem enche o mar de «contaminantes» que, pelo efeito das ondas, são arrastados para as areias dos estuários e baías. Esses «contaminantes» são depois absorvidos por animais que fazem parte da cadeia alimentar.

 

Ou seja, apesar de parecer que não, a poluição afecta-nos a todos.
Apesar de não bebermos a água do mar, tomamos banho nela e alimentamo-nos de peixes que podem estar contaminados.
Em pouco tempo as doenças passam também para nós!

 

 


  • É claro que não é só o Homem que polui, todos os animais deixam o seu «lixo» no ambiente, a diferença é que nós o fazemos numa quantidade tão grande que a Natureza não consegue «limpar». Desta forma, estamos a arruinar um dos bens mais preciosos que existem no nosso planeta: a água. A poluição das reservas e das fontes é o grande problema para o futuro abastecimento do planeta de água potável. A acumulação de lixo junto às nascentes e a infiltração de fertilizantes no subsolo contaminam as nascentes, poluindo uma riqueza que não tem preço. Nas grandes cidades, o despejo de esgotos e detritos industriais no mar e nos rios também é uma grande ameaça. Quando puxamos o autoclismo da casa-de-banho, não pensamos para onde é que a água suja está a ir.
    Se não for tratada numa estação de tratamento pode causar grandes estragos no oceano!

     Muitas indústrias (ainda) lançam nas águas os resíduos da sua produção, sem os tratar. Algumas vezes são resíduos tóxicos (e malcheirosos) que destroem a vida dos rios e que acabam por chegar aos mares. Outro grande problema são os acidentes com navios que transportam petróleo nos oceanos.

 

 

 

 

 

DESFLORESTAÇÃO

Desflorestação, desflorestamento ou desmatamento é o processo de desaparecimento de massas florestais, fundamentalmente causada pela actividade humana. A desflorestação é directamente causada pela acção do homem sobre a natureza, principalmente devido à destruição de florestas para a obtenção de solo para cultivos agrícolas ou para extração de madeira, por parte da indústria madeireira.

 

 

 

Uma consequência da desflorestação é o desaparecimento de absorventes de dióxido de carbono, reduzindo-se a capacidade do meio ambiente em absorver as enormes quantidades deste causador do efeito estufa, e agravando o problema do aquecimento global.

 

 

 

 

 

USO RACIONAL DA ÁGUA

 

A água é um recurso natural muito precioso que vem cada vez mais sendo estudada nas últimas décadas. O uso racional da água e o combate ao seu desperdício são hoje uma preocupação mundial. Alguns estudos de instituições internacionais estimam que até 2025 um terço da população mundial experimentará efeitos extremos de escassez de água. Com a preocupação e agravamento de falta de água, as pessoas devem assumir uma nova forma de pensar e agir, mudando seus hábitos e desenvolvendo formas de economizar água.

 

 


 

 

Origem da escassez da água

Esses problemas estão associados a vários factores:

  • Distribuição geográfica desigual,
  • Aumento desordenado da população,
  • Mau uso do recurso,
  • Poluição de rios, lagos e oceanos.


Formas Economizadoras de Água

  • Fechar bem as torneiras,
  • Tomar banhos mais curtos,
  • Não gastar água lavando carros e calçadas,
  • Reutilizar água para diversas utilidades,
  • Não poluir fontes de água (rios, lagos, etc.)

 

 

 

 

AQUECIMENTO GLOBAL

 

 

Todos os dias acompanhamos na televisão, nos jornais e revistas as catástrofes climáticas e as mudanças que estão ocorrendo, rapidamente, no clima mundial. Nunca se viu mudanças tão rápidas e com efeitos devastadores como tem ocorrido nos últimos anos.

 

 

 

 

 

-  O aumento do nível dos oceanos: com o aumento da temperatura no mundo, está em curso o derretimento das calotas polares. Ao aumentar o nível da águas dos oceanos, podem ocorrer, futuramente, a submersão de muitas cidades litorâneas;
-  O crescimento e surgimento de desertos: o aumento da temperatura provoca a morte de várias espécies animais e vegetais, desequilibrando vários ecossistemas. Somado ao desmatamento que vem ocorrendo, principalmente em florestas de países tropicais, a tendência é aumentar cada vez mais as regiões desérticas do planeta Terra;
-  O aumento de furacões, tufões e ciclones: o aumento da temperatura faz com que ocorra maior evaporação das águas dos oceanos, potencializando estes tipos de catástrofes climáticas;
-  Ondas de calor: regiões de temperaturas amenas tem sofrido com as ondas de calor. No Verão europeu, por exemplo, tem se verificado uma intensa onda de calor, provocando até mesmo mortes de idosos e crianças.

 

 

 

 

 

INCÊNDIO FLORESTAL

 

Incêndio florestal é todo fogo sem controle que incide sobre qualquer forma de vegetação , podendo ser tanto provocado pelo homem (provocado ou por negligência), ou por causa natural (como descargas elétricas - raios).

 

Os incêndios florestais são considerados catástrofes naturais, mais pelo facto de se desenvolverem na natureza e por a sua possibilidade de acontecimento e características de divulgação dependerem de factores naturais, do que por serem causados por fenómenos naturais. A intervenção humana pode desempenhar um papel decisivo na sua origem e na limitação do seu desenvolvimento. A importância da acção humana nestes fenómenos diferencia os incêndios florestais das restantes catástrofes naturais.

 



 

Algumas medidas preventivas a serem tomadas:

    * Manter limpa uma faixa de 50m à volta de habitações, estaleiros, armazéns, oficinas ou outras edificações, nos espaços rurais.
    * Manter limpa uma faixa superior a 100m à volta dos aglomerados populacionais, parques, polígonos industriais e aterros sanitários, inseridos ou confinantes com áreas florestais.

 

 

 

 

 

 

CATÁSTROFES NATURAIS

 

Acontecimentos súbitos de origem natural, muitas vezes imprevisíveis, suscetíveis de provocarem vítimas e danos materiais avultados. As catástrofes naturais afectam gravemente a segurança das pessoas, as condições de vida das populações e a estrutura socioeconómica de um país, devido a processos de ruptura entre o ambiente natural e o sistema social.
Durante muitos séculos, as causas das catástrofes limitaram-se a ser exclusivamente fenómenos de origem natural (sismos, erupção de vulcões, furacões, cheias), mas a intervenção humana e a evolução tecnológica provocaram o aumento da frequência de acontecimentos catastróficos súbitos e não planeados. Os efeitos das catástrofes naturais são agravados pelas acções humanas através de comportamentos inconsequentes e negligentes, como, por exemplo, a impermeabilização dos solos, as construções em leitos de cheias, entre tantos outros.
A vulnerabilidade das diferentes sociedades às catástrofes naturais depende do seu grau de desenvolvimento: são mais vulneráveis os países subdesenvolvidos, caracterizados por grande pobreza, elevadas densidades populacionais e sem capacidade tecnológica e financeira para evitar e/ou reduzir os efeitos dos acontecimentos catastróficos.

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Ginia Silva às 16:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito